ANTES E DEPOIS

PARTE VII

ÍCONE.png

Clique nas setas e arraste

RUA VOLUNTÁRIOS DE SÃO PAULO COM A INDEPENDÊNCIA

Até meados da década de 1950, a cidade terminava na rua Independência. Neste trecho, na esquina com a rua Voluntários de São Paulo, no final do centro da cidade, praticamente só existiam residências. Em frente, o imponente Hospital Santa Helena. Apenas duas casas do lado esquerdo ainda conservam a sua arquitetura original. Na foto antiga, em 1947, a rua ainda era de terra.

O MARCO ZERO DE RIO PRETO

A esquina da rua Voluntários de São Paulo com a rua Tiradentes, no centro de Rio Preto é o marco zero da cidade. Foi ali que o fundador João Bernardino de Seixas Ribeiro construiu a primeira casa, dando início ao povoado. Na década de 1950, foi construído no local um posto de gasolina. Na sua parede lateral foi erguido um painel, pintado por Antônio Vargas, alusivo a fundação da cidade.  Mesmo com muitos protestos, a obra foi destruída na década de 1990. Hoje no local funciona um estacionamento de veículos.

O ANTIGO PONTO DE ÔNIBUS

Na rua Tiradentes, entre as ruas Bernardino de Campos e Voluntários de São Paulo, no centro de Rio Preto, ficava o ponto de ônibus da Circular. Em 1956, Alberto Andaló, recém eleito prefeito, promoveu a mudança do ponto para a Rua Voluntários de São Paulo, na ampla reforma que fez na Praça Dom José Marcondes. Reparem na foto antiga que as ruas do centro ainda eram de paralelepípedo e o saudoso coreto da praça ainda resistia ao tempo. Ao fundo, o imponente prédio da Casa Cal.

A RUA SIQUEIRA CAMPOS

Na confluência das ruas Bernardino de Campos e Siqueira Campos funcionaram várias casas comerciais. Nas décadas de 1920 e 30 a Casa das novidades. Na década de 1940 a Casa Nasser e Casa Ismael .Já na década de 1950 a Casa São José e depois Casa Jaraguá. Hoje o local dá lugar ao Edifício Banco de São Paulo. Logo abaixo, um velho sobrado ainda sobrevive com suas mesmas características originais.

A RUA SILVA JARDIM

A rua Silva Jardim, entre as ruas Bernardino de Campos e General Glicério, no centro, é um dos maiores fluxos de veículos da cidade, já que é a última rua antes da entrada do Calçadão. Até início da década de 1970, do seu lado esquerdo, funcionava uma das primeiras agências da Caixa Econômica Federal na cidade e, em frente, o Cartório do 3º Ofício. Na esquina a inesquecível Casa Bueno.

O 2º CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL

Este prédio localizado na esquina das ruas Presciliano Pinto e Tiradentes, no bairro Boa Vista, em rio Preto foi construído nos anos de 1950 pelo Sr. João Lisboa especialmente para a instalação da sua Farmácia Lisboa. Posteriormente foi ocupado pelo 2º Cartório de Registro Civil. Totalmente preservado, hoje abriga uma empresa de Cartuchos.

A PADARIA NOSSO PÃO

Na esquina das ruas Jorge Tibiriçá e Presciliano Pinto, no bairro da Boa Vista está localizada a histórica Padaria Nosso Pão, fundada pela família Perissini. O prédio, a padaria e os donos ainda são os mesmos, mas a rua Jorge Tibiriçá está completamente mudada, com seus inúmeros “arranha-céus”. Reparem na foto antiga a rua ainda em paralelepípedo e sem a fiação elétrica de hoje. A velha Boa Vista...

O COMÉRCIO DA RUA GENERAL GLICÉRIO

No início da década de 1970 ainda havia trânsito de veículos na Rua General Glicério, em Rio Preto. O calçadão só seria instalado no local no início da década seguinte. Neste quarteirão, entre as ruas Siqueira Campos e Tiradentes imperava as Lojas Americanas, com os seus baleiros, o clube laza e o inesquecível cachorro quente. A foto do passado foi tirada a pedido do gerente das Casas Pernambucanas, Manoel Bonilha, para a inauguração da sua filial. Na foto ainda aparecem a Casas Buri e a Casa Gaúcha, da Família Buzzini.

MOVEIS PARISE

Este imponente prédio comercial de três andares, localizado na esquina da rua Marechal Deodoro com a rua General Glicério, no centro de Rio Preto, foi construído ainda no final da década de 1940 após a demolição do velho prédio térreo, primeira sede da Casa Suriani na cidade. No térreo funcionou por muitos anos a Móveis Parise, de Antônio Parise, falecido neste mês de janeiro de 2014. O prédio ainda conserva toda sua arquitetura original.

A RUA GENERAL GLICÉRIO COM A DELEGADO

A rua General Glicério, entre as ruas Delegado Pinto de Toledo e Marechal Deodoro, no centro de Rio Preto, abrigava o belo prédio da antiga Cadeia e Fórum Municipal. Derrubado na década de 1960, no lugar foi erguido o prédio da Delegacia Regional de Polícia. O restante do quarteirão está praticamente igual à foto de 1958. Apenas um edifício foi erguido do lado direito, anexo ao posto de combustível.

RUA CORONEL SPÍNOLA COM A JORGE TIBIRIÇÁ

Neste imponente prédio, na esquina da rua Coronel Spínola de Castro com a rua Jorge Tibiriçá, no centro de Rio Preto, está instalada há mais de três décadas a Lojas Lívia Cosméticos. O novo prédio foi construído no lugar da antiga construção de 1932. Reparem que à direita, o velho prédio do Estacionamento Santa Luzia ainda está de pé, conservando sua arquitetura original.

A VELHA PENSÃO DA BOA VISTA

No velho prédio, na esquina das ruas Boa Vista e Prudente de Moraes, no bairro da Boa Vista, funcionou por muitos anos a Pensão Menino Jesus de Praga e uma lavanderia. A casa foi construída na década de 1930 para servir de moradia da Família de Francisco Homsi, o popular “Chico Barata”, um dos primeiros imigrantes Libaneses que chegaram à cidade. Hoje, no local, está sendo erguido um edifício.

O SEGUNDO GRUPO ESCOLAR

Até 1940, o Segundo Grupo Escolar de Rio Preto funcionou neste prédio, à rua Boa Vista, esquina com a rua Prudente de Moraes, no bairro da Boa Vista. Posteriormente, foi a primeira sede da Polícia Militar. Também funcionaram ali vários estabelecimentos comerciais, entre eles a Casa de Carne Boa Vista e a Rolamentos K.F. Demolido, o prédio deu lugar as novas instalações das Embalagens Rio Preto.

A GALERIA BASSITT

Localizado na confluência das ruas Bernardino de Campos e Marechal Deodoro, o Edifício João Bassitt, mais conhecido como Galeria Bassitt, foi, por décadas, o mais imponente de nossa cidade. No quarteirão anterior via-se,à direita, o Grupo Escolar Cardeal Leme. Do lado esquerdo, onde hoje é o Bradesco, a inesquecível Casa Combate, o Hotel Avenida e o Rio Preto Bar, entre outros. Que beleza os carros estacionados...

A ESQUINA DA RUA BERNARDINO COM A RUBIÃO JUNIOR

Na esquina da rua Bernardino de Campos com a rua Rubião Junior, no centro de Rio Preto, foi construído este prédio,no início da década de 1950, para abrigar o Hotel Metrópole. Ele ainda está lá. No solo funcionaria a Casa Baruel. Em frente funcionou o Gonçalves Sé e, posteriormente, a Padaria São Jorge. Demolido, em seu lugar foi construído o prédio da Agência do Banco Safra.

RUA BERNARDINO ANOS 1960

Na década de 1960, a rua Bernardino de Campos, entre as ruas Prudente de Moraes e Tiradentes  (ainda sem o calçadão) era o ponto comercial principal da cidade. No pedaço funcionavam a Salada Paulista, a Casa Rignani, o Banco Comércio Indústria e a Casa das Máquinas Vigorelli entre outras. Hoje, só a Salada Paulista resiste ao tempo. Bons tempos...

O ALTO DA VILA MACENO

A Vila Maceno é um dos bairros mais antigos da cidade. Neste trecho, da rua Bernardino de Campos com a rua José Nogueira de Carvalho está localizada a Paróquia de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento. Até o final da década de 1960, apenas existia a velha igrejinha, que ainda está de pé, quase que totalmente preservada. Apenas a sua torre foi destruída. Reparem na foto antiga o calçamento de paralelepípedo e os velhos postes de madeira.

ÍCONE - SETA CONTINUAÇÃO - 1.png
ÍCONE - SETA CONTINUAÇÃO - 3.png
ÍCONE - SETA CONTINUAÇÃO - 2.png