ANTES E DEPOIS

PARTE V

ÍCONE.png

Clique nas setas e arraste

A AVENIDA DA SAUDADE

Em 1944, Rio Preto comemorou o cinquentenário da criação do município. O Prefeito Ernani Pires Domingues promoveu várias inaugurações. Uma das mais importantes foi a da Avenida da Saudade, que era uma continuação da Rua Tiradentes após o córrego Canela. Era para facilitar achegada ao Cemitério da Vila Ercília. A Avenida Andaló ainda não existia.

A RUA LUIZ ANTÔNIO DA SILVEIRA

Luiz Antônio da Silveira já foi a denominação da rua Bernardino de Campos até o final do século 19. Hoje ela está localizada no bairro da Boa Vista. Neste trecho, entre as ruas Delegado Pinto de Toledo e Marechal Deodoro está o fundo do Colégio Ezequiel Ramos.

OS BELOS PRÉDIOS COMERCIAIS DA BERNARDINO

Neste trecho da rua Bernardino de Campos, entre as ruas Tiradentes e Prudente de Moraes, no centro da cidade, existiam dois lindos prédios comerciais: o do Banco Comércio e Indústria, com a águia no topo e o da Casa Rignani, com a sua imponente torre.

A PRAÇA D. JOSÉ MARCONDES

Localizada no quadrilátero das ruas Bernardino de Campos, Prudente de Moraes, Voluntários de São Paulo e Tiradentes, no centro da cidade, a Praça D. José Marcondes era conhecida até 1923 como “Jardim Velho”. Em 1929, o prefeito Cenobelino de Barros Serra assinou a lei dando o nome de D. José Marcondes Homem de Mello, uma homenagem ao arcebispo de São Carlos, criador do Bispado de Rio Preto.

A RESIDÊNCIA DO CORONEL ADOLPHO

O coronel Adolpho Guimarães Correa Neto foi um dois homens mais influentes na cidade no início do século 20. Fundou o primeiro jornal “O Porvir”, em 1902 e foi prefeito de 1908 a 1914. Morava na rua Bernardino de Campos, entre as ruas Siqueira Campos e Jorge Tibiriçá, de frente para a Praça Rui Barbosa, no centro da cidade. Demolido, no seu lugar foi erguido o prédio do Cine Rio Preto.

O HOTEL D’OESTE

Neste velho prédio, construído na década de 1920, na rua Bernardino de Campos, entre as ruas Silva Jardim e Jorge Tibiriçá, no centro da cidade, funcionava um dos mais antigos hotéis da cidade. O Hotel D’Oeste, de Ângelo Fortunato. Derrubado na década de 1950, no seu lugar foi erguido o prédio que abrigou por décadas o Grande Hotel e o Cine Ipiranga. Hoje no local funciona o Chamonix Hotel e um estacionamento de veículos.

OS CARROS DE PRAÇA DO CENTRO

Na década de 1920 já existiam muitos carros pelas ruas de Rio Preto. Inclusive vários pontos de carros de praça. Um deles ficava na Rua Siqueira Campos, esquina da Rua Bernardino de Campos, atrás da Igreja Matriz. Reparem na foto atual que a nova Catedral avançou pela Praça São José, que hoje se resume apenas em um pequeno canteiro. Uma pena.

O HOTEL TÉRMINUS

Neste velho prédio na  rua Prudente de Morais, entre as ruas Bernardino de Campos e Voluntários de São Paulo, no centro da cidade, funcionou por décadas o lendário Términus Hotel, de Antônio Lopes  dos Santos, o Seu Toninho. Construído no início da década de 1920, o prédio ainda conserva toda sua estrutura original. Hoje funciona no local o Hotel Rios. Seu Toninho fez um dos primeiros loteamentos da cidade que hoje recebe seu nome. A Vila Toninho.

A AGÊNCIA FORD GERMANO SESTINI

Na esquina da rua Bernardino de Campos com a rua Prudente de Moraes, no centro da cidade, funcionava a Agência Ford de Germano Sestini. Ao lado o imponente prédio que abriga a lendária Casa Rignani. Posteriormente a Agência foi transferida para a esquina da rua Voluntários de São Paulo com a rua Prudente de Moraes, também no centro. Demolido nos anos de 1950, no lugar funciona um edifício comercial de dois andares.

A CASA ESPERANÇA

Localizada na esquina da rua General Glicério com a rua Siqueira Campos, no centro de Rio Preto, a Casa Esperança, dos Irmãos Gabriel, foi um dos maiores estabelecimentos comerciais de sua época, juntamente com a Casa Moysés. Neste local, posteriormente, funcionou a primeira loja da Casa Suriani. Hoje a esquina da lugar a um edifício comercial com a instalação no piso térreo da filial da Loja J. Mahfuz.

O BANCO FRANCÊS E ITALIANO

Este prédio comercial, localizado na rua Bernardino de Campos, entre as ruas Siqueira Campos e Tiradentes, no centro de Rio Preto é um dos mais antigos da cidade e ainda preserva toda sua arquitetura original. Foi construído na década de 1920. Ali funcionava o Banco Francês e Italiano. Posteriormente foi Pastelaria Chinesa e um Hotel. Hoje funciona no local a Chiquinho Sorvestes.

A ESQUINA DA CORONEL COM A MARECHAL

Neste velho prédio, localizado na esquina da rua Coronel Spínola Castro com a rua Marechal Deodoro, no centro da cidade, construído ainda na década de 1940, funcionaram inúmeros estabelecimentos comerciais. Entre eles a a saudosa Tipografia Líder e a Loja de Transformadores Redston. O prédio ainda conserva toda sua estrutura original e hoje abriga a Componel Eletrônicos e vários pequenos estabelecimentos.

O GRUPO ESCOLAR EZEQUIEL RAMOS

Sob a denominação de 2º Grupo Escola de Rio Preto, a instituição foi instalada em 1927, na Praça Carlos Gomes, entre as ruas Delegado Pinto de Toledo, Marechal Deodoro, Luiz Antônio da Silveira e Boa Vista, no bairro Boa Vista. Em 1944, passou a denominar Grupo Escolar Theothônio Monteiro de Barros e, em 1955, definitivamente Grupo Escolar Ezequiel Ramos

A RUA BERNARDINO DE CAMPOS EM 1927

Considerada a artéria principal da cidade, a rua Bernardino de Campos, neste trecho entre as ruas Prudente de Moraes e Tiradentes, no centro da cidade modificou muito desde a década de 1920. Ali funcionavam o Cine Capitólio, o Banco Comércio e Indústria e a histórica Salada Paulista, entre outros. Desta época, apenas o prédio da Salada Paulista mantém sua estrutura original. Nem a Praça Dom José Marcondes é mais a mesma...

A RUA TIRADENTES DA DÉCADA DE 1920

A rua Tiradentes era um dos pontos mais centrais da cidade na década de 1920. Do lado esquerdo, na esquina com a rua Voluntários de São Paulo funcionava o Hotel Rio Branco. Na esquina debaixo, com a rua XV de Novembro o Hotel Camarero. Do lado direito o imponente sobrado ainda resiste, mesmo após inúmeras modificações na sua fachada. Do lado esquerdo, apenas dois prédios comerciais conservam sua estrutura original.

A RUA VOLUNTÁRIOS NA DÉCADA DE 1920

A rua Voluntários de São Paulo, neste trecho entre as ruas Delegado Pinto de Toledo e Rubião Junior, no centro da cidade está hoje totalmente modificada. Quase nada sobrou da rua da década de 1920. Apenas a casa da esquina, no lado esquerdo, onde funciona a Pizzaria Luna di Napoli, e a segunda casa, do lado direito, ao lado da agência do Banco Santander ainda preservam sua arquitetura original.

ÍCONE - SETA CONTINUAÇÃO - 1.png
ÍCONE - SETA CONTINUAÇÃO - 3.png
ÍCONE - SETA CONTINUAÇÃO - 2.png